Minas Gerais, 300 anos: Estado acumula histórias, culturas e uma vasta gastronomia

Governador Romeu Zema – Foto Pedro Gontijo Imprensa MG

Cerimônia no Palácio da Liberdade marca data da criação da Capitania de Minas Gerais, pelo rei Dom João V.

“Uai, sô”, traz aquele pão de queijo e o cafezinho que hoje vamos celebrar o aniversário de Minas Gerais com alguns dos ingredientes que compõe a mineirice”. Dona do maior número de Patrimônios Culturais da Humanidade declarados pela Unesco e do teatro mais antigo em atividade das Américas, o estado completou, na quarta-feira, 300 anos de muita história, cultura, hospitalidade e aquela culinária que só os mineiros sabem fazer. A data marca a criação da Capitania de Minas Gerais, – estabelecida em 2 de dezembro de 1720, pelo rei Dom João V.

 

Mas, nem só de boa comida vive Minas Gerais. O estado é rico de história, sendo palco de um dos maiores movimentos político e histórico do país, a Inconfidência Mineira. Também foi um importante polo produtor de ouro, pedras preciosas e de outros minérios por séculos. Além disso, o local, onde hoje está situado, já foi banhado pelo mar há cerca de 550 milhões de anos. A constatação é de um estudo de geólogos e paleontólogos da USP e Unesp que encontraram na cidade de Januária, fósseis de antigos animais marinhos.

Também não faltam belezas naturais aos mineiros. Eles possuem a 3ª maior cachoeira do Brasil – a do Tabuleiro – localizada em Conceição do Mato Dentro, considerada uma das sete maravilhas da Estrada Real. Tem ainda três dos cinco maiores picos do país, sendo o da Bandeira, situado no Parque Nacional do Caparaó, um dos queridinhos dos visitantes. O estado abriga também o 3º maior complexo de lagoas do Brasil – 42 – dentro do Parque Estadual do Rio Doce, além de concentrar a maior floresta tropical de Minas. Localizado entre Dionísio, Marliéria e Timóteo, é um “trem bão demais da conta” pra quem gosta de natureza.

Na capital encontra-se o maior complexo cultural do Brasil: o Circuito da Liberdade. O local concentra 15 espaços entre museus, centros de cultura e de formação, que mapeiam diferentes aspectos do universo cultural e artístico. E não podemos falar de Minas Gerais sem citar o maior museu de arte contemporânea a céu aberto do mundo: o Instituto Cultural Inhotim. O espaço, localizado em Brumadinho, expõem, em seus pavilhões, galerias e jardins, obras de relevantes artistas nacionais e internacionais.

Sem contar as personalidades nascidas no estado. O Rei do Futebol, por exemplo, é mineiro. Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, nasceu na cidade de Três Corações. O médico sanitarista, Carlos Chagas, que foi o grande responsável pelo combate a Malária, é de Oliveira (MG). Além de Alberto Santos Dumont, o pai da aviação, que ficou conhecido por ter sido o primeiro a realizar um voo em um avião a motor, sem equipamentos de lançamento.

Sua vasta história, rica cultura, deliciosa culinária, grandes personalidades e muitos atrativos culturais tornaram Minas Gerais um dos principais destinos turísticos do país. Ao longo dos 300 anos, milhões de pessoas conheceram um pouco do que há de melhor desse grande estado brasileiro. E que venham mais 300! Parabéns, Minas Gerais.

Comemorações

Cerimônia realizada no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, na noite de quarta-feira, dia 2, com a participação do governador Romeu Zema, do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, demais secretários de governo e representantes de Poderes, entidades e instituições, celebrou todo o legado do tricentenário mineiro. A data foi reverenciada com a inauguração do Circuito Luzes da Liberdade e com o lançamento do 300 +1, projeto de uma série de comemorações que se estenderá ao longo de 2021, uma vez que, neste ano, o calendário de atividades foi interrompido pela pandemia de covid-19.

Em seu discurso, o governador Romeu Zema trouxe uma mensagem de esperança para os mineiros. A vida nos prega algumas peças e nos traz grandes desafios. Temos exemplos de grandeza histórica e de superação. Temos Tiradentes com sua luta contra o derrame de impostos, Guimarães Rosa com a essência do ser mineiro, JK com o espírito desbravador e tantos outros. Minas é do tamanho da sua gente, do tamanho da alegria, da força, da coragem e da fé de nós, mineiros”, afirmou Zema.

Romeu Zema destacou, ainda, as características do povo mineiro e sua “força única”. “Minas tem o mineiro da zona rural, trabalhador, matuto por natureza. Tem o produtor rural, o comerciante, o estudante que sobe as ladeiras das nossas cidades históricas e tem o belo-horizontino, que sempre recebe os visitantes de braços abertos na capital que é de todos os mineiros. Minas tem os campos verdes, as grutas, o queijo, o café com leite, tem mentes brilhantes, tem tecnologia de ponta, tem aço e uma gente sem igual. Sou mineiro do interior, com muito orgulho. Aliás, quero expressar aqui meu completo, inteiro respeito ao interior do estado. Conheço esse estado do Sul ao Norte”, disse.

Para finalizar, o governador ressaltou o empenho de sua gestão em recuperar o estado de Minas Gerais, que mesmo com milhões em dívidas, rompimento de barragem, chuvas que devastaram municípios e a pandemia, tem conseguido avançar.

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, valorizou as potencialidades de Minas e o trabalho para seu desenvolvimento cultural e turístico. “Minas é um estado ícone da nossa federação, com a sua cultura forte, sua história e sua rica gastronomia. Minas Gerais tem uma vocação quase única para o turismo e para a cultura. O Brasil é o país número um do mundo em recursos naturais e oitavo em recursos culturais. Minas Gerais abriga mais de 60% dos patrimônios históricos do nosso Brasil”, afirmou o ministro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *