Parque Ecológico: um oásis no meio da região do Eldorado

Fotos Paulo Pereira

São mais de 300 mil metros quadrados que abrigam nascentes e servem de refúgio para animais e plantas no meio de uma das cidades mais populosas de Minas Gerais. São espaços de convivência para famílias inteiras, para a prática de esportes e áreas de lazer para pessoas de todas as idades. Estamos nos referindo aos parques administrados pela Prefeitura de Contagem, por meio da Superintendência de Parques, Praças e Jardins, vinculada à Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), entre eles, o Parque Ecológico do Eldorado, uma espécie de oásis em pleno Centro Comercial do Eldorado, uma das regionais mais populosas de Contagem.

O nome oficial é Parque Ecológico Thiago Rodrigues Ricardo, mais popularmente ele é conhecido como Parque Ecológico do Eldorado. Aberto de terça a domingo, das 7h às 17h, o local recebe de 400 a 500 pessoas ao dia, o maior público entre os parques da cidade, e tem cerca de 14 mil metros quadrados de área com árvores centenárias e frutíferas, como pés de graviola, goiaba, jabuticaba e manga. Também abriga espécies de tartarugas e sapos, peixes, saracuras, tucanos e pequenos mamíferos, como micos.

Refúgio de animais e plantas
O parque encanta e acolhe quem se dispõe a dar um tempo no agito do entorno, o nervoso centro comercial do Eldorado. A estrutura é usada pelos vizinhos, como as turmas do Centro de Atendimento Educacional Especializado (CAEE) Antônio Carlos Lemos, que vão ao parque pelo menos uma vez na semana. O CAEE oferece oficinas e atendimento educacional a alunos com necessidades especiais no contraturno das atividades escolares e pessoas com as mesmas necessidades que já saíram da escola.
O Parque do Eldorado tem equipamentos de ginástica da Academia da Cidade, quadras esportivas, playground de eucalipto imunizado, banheiros e sala de reuniões, o popular “Redondo”, além de muita área verde. Um dos diferenciais é a trilha ecológica suspensa, para que as nascentes urbanas permanentes e intermediárias, que brotam quando chove, sejam preservadas.

Caminho das águas
A ambientalista Cecília Rute de Andrade Silva, moradora do Eldorado, participa de várias entidades e organizações ligadas à proteção do meio ambiente, como o Conselho Municipal de Meio Ambiente de Contagem (Comac) e os Fóruns Mineiro e Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas. Ela é uma das fundadoras do Parque Ecológico do Eldorado, ao qual se refere como “caixa d’água do bairro”.
“A história do parque é muito engraçada. Ele foi fundado de baixo para cima. Foi a parceria da sociedade civil com o poder público que fundou esse parque, onde passam mais de 15 mil pessoas ao mês”, destaca. “Primeiro, esta área ia sediar um hospital infantil do câncer, mas logo que as pessoas estiveram aqui para fazer a fundação descobriram que era, na verdade, uma caixa d’água, por causa das nascentes”, prossegue Cecília.
Segundo a ambientalista, resolveram construir o hospital em Juatuba. “Esse espaço sediou a Regional Eldorado e a área ia se tornar um conjunto habitacional, mas a comunidade resolveu empreender uma luta para criar no local um parque ecológico”, diz. Em 2003, ela foi convidada pela Associação Josias Vieira para fazer parte de um grupo de quatro pessoas que entraria nesta mobilização. “A luta dessas quatro pessoas tornou-se a de milhares. Procuramos igrejas e diversas instituições, criamos o movimento Conviverde, que atualmente é uma ONG, e em 27 de julho de 2004 foi fundado o Parque Ecológico do Eldorado”, explica Cecília, atual presidente da Conviverde, parceira do poder público até hoje.
A funcionária administrativa do parque, Ketrily de Andrade Silva, alerta para as as dificuldades enfrentadas para a preservação do local. Ela conta que às segundas-feiras, dia de manutenção do parque, muito lixo é recolhido. “Chegamos a recolher 15 sacos grandes de lixo semanalmente”, afirma.

Preservação
Cecília explica que as águas que nascem no parque vão parar no Nordeste do país, onde o rio São Francisco deságua no mar, em Alagoas. “Aqui é a nascente do córrego do Capão, um afluente do córrego Água Branca, que se junta ao córrego Carneiro, mais o riacho das Pedras, e formam o córrego do Ferrugem, um dos maiores afluentes do rio Arrudas. O Arrudas é um dos maiores afluentes do Rio das Velhas e o Velhas, por sua vez, junto com o rio Paraopeba, é afluente do São Francisco. É preciso a mobilização de todos para proteger essas nascentes, porque elas fazem parte de um grande ciclo que ajuda a sustentar a vida”, ressalta Cecília.

Serviço
– Parque Ecológico Thiago Rodrigues Ricardo – Rua Paineiras, 1.722, Eldorado
– Aberto de terça a domingo, das 7h às 17h.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *